De acordo com um estudo realizado pela CordCutting.com, 1 em cada 5 pessoas estão se aproveitando da conta de uma outra pessoa para assistir aos vídeos da NetflixHuluou Prime Video da Amazon. Grande parte dos usuários usam as contas dos familiares, e 48% usam o login dos pais, enquanto outros 14% usam as credenciais de sua irmã ou irmão, sem que tais assinaturas sejam do tipo familiar, que dá acesso a usuários da mesma família com um só login, cobrando um preço mais caro por isso.

Considerando o preço base de US$ 7,99 por mês dos EUA, os usuários que usaram o acesso de outra pessoa podem ter economizado US$ 207,74 ao longo de um período de 26 meses. Mas, de acordo com o estudo, esse valor pode ser ainda maior. O relatório estima que a Netflix pode estar perdendo US$ 192 milhões em receita mensal com essa prática — em comparação, a Amazon e o Hulu apresentariam um prejuízo de US$ 45 milhões e US$ 40 milhões por mês, respectivamente.

Apesar disso, existe um argumento explicando que quem utiliza os acessos de outras pessoas nunca pagaria para obter o serviço e que, portanto, a empresa não deveria tratar esses números como prejuízos ou considerá-los como pirataria, convergindo com a ideia sobre o público que realizava downloads ilegais de músicas ou de torrents no passado.

Sobre a contratação do serviço de streaming, há uma parcela do público que afirma que pagaria pela assinatura caso perdessem o acesso compartilhado. De acordo com o estudo, 59,3% — ou cerca de 14 milhões de pessoas — disseram que pagariam para criar uma conta da Netflix se isso acontecesse. Esses números se traduziriam em um aumento de pelo menos US$ 112 milhões em receita mensal para a empresa. Vale lembrar, no entanto, que pode haver uma grande diferença entre o que os consumidores dizem que farão e o que de fato acabam fazendo. Assim, tais afirmações precisam ser levadas apenas como considerações, e não como projeções concretas.

É necessário ressaltar, também, que este estudo calculou os números observando a conta de exibição única por vez na Netflix. Ou seja, o pacote destinado a ser usado por um único indivíduo, que é justamente o mais barato.