O texto começou a se espalhar rapidamente através das redes sociais no dia 26 de janeiro de 2019 e trouxe informações importantes para se entender o trágico rompimento da barragem de Brumadinho (MG). De acordo com as informações (que teriam sido dadas por uma fonte ligada à ABIN), a Polícia Rodoviária Federal teria preso um venezuelano e um cubano e que ambos teriam explodido a barragem.

Segundo o que se espalhou, uma funcionária que sobreviveu à tragédia teria confirmado ouvir a explosão, que o venezuelano se chama Juan Pablo Mercês – ex-guerrilheiro das FARCS com 7 mandados de prisão na Colômbia – e o cubano seria Antonio Cabalero – condecorado com a Estrela Vermelha por sua atuação destacada em ações de sabotagem na guerra civil de Angola!

O texto vem acompanhado de um vídeo mostrando o exato momento da explosão terrorista e do imediato rompimento da barragem, que deixou centenas de vítimas!

Será que isso é verdade ou mentira?

Texto compartilhado juntamente com o vídeo acima:

“ATENÇÃO
INFORMAÇÃO IMPORTANTE
“Uma fonte ligada a ABIN confirmaram nessa tarde que a Polícia Rodoviária Federal deteve nessa tarde, próxima a cidade de Itaguará, cerca de 68 km de Brumadinho, um venezuelano e um cubano.
O carro em que viajam estava em alta velocidade, houve troca de tiros e um terceiro homem foi morto durante a perseguição.
Uma funcionária que sobreviveu a tragédia, confirmou ter ouvido uma explosão antes do rompimento da barragem. A fonte informou ainda que o Venezuelano é Juan Pablo Mercês, ex guerrilheiro das FARCS, possui 7 mandatos de prisão na Colômbia. O cubano é Antonio Cabalero, conhecido instrutor da Polícia Secreta do Governo Castro, condecorado com a Estrela Vermelha, por sua atuação destacada em ações de sabotagem na guerra civil de Angola
Até agora o interrogatório apurou que várias células terroristas venezuelanas se infiltraram no território nacional , desde a vitória de Bolsonaro no primeiro turno das eleições, em outubro.
O objetivo das células são promover atentados terroristas visando sabotar as principais atividades econômicas que compõe as exportações brasileiras, aprofundando a crise econômica e , ao mesmo tempo, frustrando a abertura econômica conduzida por Paulo Guedes.
As células tem como alvo estradas, linhas férreas e portos da infraestrutura de exportação de soja e carne bovina. Barragens e estradas de ferro da Vale e plataformas e oleodutos da Petrobrás.
As ações vinham sendo planejadas para início de março, com objetivo de frustrar as votações da reforma da previdência no Congresso, outro item fundamental para recuperação econômica.
No entanto, o reconhecimento do governo brasileiro de Juan Guaidó como presidente da Venezuela, anteontem, as ações foram antecipadas.
A ABIN , Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal, prosseguem as buscas por mais 5 células terroristas infiltratadas.”

Verdade ou mentira?

Em primeiro lugar, vamos tratar do vídeo que acompanha o texto. Como já ocorreu em 2015, quando uma barragem rompeu na cidade mineira de Mariana, o vídeo espalhado como sendo do momento do rompimento da barragem era, na verdade, de um acidente ocorrido em outubro de 2015, durante a construção de uma hidrelétrica:

Quanto ao rompimento de 2019, ocorrido em Brumadinho (MG), o engenheiro Rawgleison Batista Amaral, que estava na cidade mineira instalando um sistema de sinalização durante o incidente, deu diversas entrevistas e não disse em momento algum que houve explosão! Aliás, em nenhuma das reportagens a respeito é relatado algum tipo de explosão.

Em entrevista a jornalistas, o presidente da Vale, Fabio Schvartsman, disse que momento do acidente haviam 427 pessoas trabalhando no local. Nada sobre explosão…

Analisando o texto, logo nos primeiros parágrafos, temos:

“[…] Uma fonte ligada a ABIN confirmOU nessa tarde que a Polícia Rodoviária Federal deteve nessa tarde, próxima a cidade de Itaguará, cerca de 68 km de Brumadinho, um venezuelano e um cubano. O carro em que viajam estava em alta velocidade, houve troca de tiros e um terceiro homem foi morto durante a perseguição.”

Não encontramos nenhuma notícia a respeito dessa perseguição nas cidades citadas.

A seguir, o texto afirma que:

“[…]Uma funcionária que sobreviveu a tragédia, confirmou ter ouvido uma explosão antes do rompimento da barragem. A fonte informou ainda que o Venezuelano é Juan Pablo Mercês, ex guerrilheiro das FARCS, possui 7 mandatos de prisão na Colômbia. O cubano é Antonio Cabalero, conhecido instrutor da Polícia Secreta do Governo Castro, condecorado com a Estrela Vermelha, por sua atuação destacada em ações de sabotagem na guerra civil de Angola”.

Uma busca por “Juan Pablo Mercês” no site da Interpol e não encontramos nada. O nome só aparece em sites que copiaram o mesmo texto. Em sites venezuelanos não há nenhuma menção a “esse homem tão procurado”…

O mesmo vale para o nome “Antonio Cabalero”. O mais curioso é que a medalha da Estrela Vermelha foi uma comenda da ex-União Soviética extinta em dezembro de 1991 e Antonio Cabalero não figura entre os homenageados.  

Conclusão

Somente por essas análises simples podemos garantir que essa história não passa de mais uma grande fake news criada apenas para conseguir curtidas e compartilhamentos!

Da redação